JORNALISMO    09/11/2011
Espaço Experiência entrevista Flávio Fachel
Júlia Franz
Jornalista faz palestra dia 16 no prédio 40 (Foto: arquivo pessoal)

Formado na Faculdade de Comunicação Social da PUCRS, o correspondente internacional da Rede Globo nos Estados Unidos estará  na universidade no próximo dia 16 (quarta-feira, às 10h, no Teatro do Prédio 40), para falar sobre o livro Dicas de #Telejornalismo. De Nova Iorque, Fachel concedeu, por email, entrevista ao Espaço Experiência.
 
Espaço Experiência: Você chegou a cursar quatro anos de Engenharia Civil. Só depois iniciou o curso de Jornalismo. O que o  motivou a realizar essa mudança?

Flávio Fachel: Sempre quis, desde o início, fazer Publicidade e Propaganda. Cheguei a tentar entrar no curso no meu primeiro vestibular. Ainda tinha 16 anos. O problema é que a disputa era grande: existiam, naquela época, 16 candidatos por vaga. Acabei indo cursar Engenharia Civil na Unisinos, como uma espécie de "segunda opção".

EE: Como você analisa a imprensa norte-americana, em geral, e a de Nova Iorque, em particular, especialmente quanto à produção de pautas?

FF: O jornalismo segue uma regra universal: as pautas atendem ao interesse coletivo e também ao interresse da audiência. Portanto, cada canal, cada programa aqui nos EUA, tem sua seleção própria de pautas. Aqui nos Estados Unidos, a diversidade de canais e de programação é gigantesca. Portanto, há espaço para todas as pautas: desde uma sobre animais do Caribe, por exemplo, até outra específica sobre estacionamentos disponíveis em um bairro de NYC.

EE: Quais as principais diferenças entre as redações norte-americanas e as brasileiras?

FF: Uma das diferenças que mais me chamaram a atenção foi com relação ao processo de produção das reportagens: em muitos casos, repórteres especiais têm a sua própria equipe de produção. Isso significa que, nesses casos, os repórteres têm secretária, produtores e cinegrafistas exclusivos trabalhando com ele. Isso torna o ambiente da redação muito mais competitivo do que no Brasil.

EE: Você acredita que as Redes Sociais (como Twitter e Facebook), devido ao excesso de informações instantâneas com pouca apuração, podem prejudicar a credibilidade dos jornalistas?

FF: Mídia social não atrapalha em nada o jornalismo. A opção por dar mais credibilidade a um veículo tradicional de comunicação ou a posts de usuários da internet é de quem recebe a informação. Nesse sentido, o que eu observo é que as pessoas que estão mergulhadas nas mídias sociais continuam a buscar na mídia tradicional a "confirmação" que desejam sobre o que é recebido pela internet. Por outro lado, cabe às mídias tradicionais (jornais, rádios, TVs e portais de informação na internet) encontrar caminhos para fazer parte das mídias sociais. Este é, na atualidade, um dos maiores desafios das empresas de jornalismo brasileiras.

EE: Como jornalista, você já fez matérias em diversas parte do mundo. Qual o lugar que você jamais voltaria, a menos que fosse para fazer uma nova reportagem?

FF: Esse lugar não existe.

EE: Você estudou e se formou em Jornalismo na Famecos, em 1993. Como você espera que seja o retorno à faculdade?

FF: Sempre gostei do contato com alunos de Comunicação. Acho que vai ser um encontro muito bacana. Espero todos lá, no dia 16!

 
 
 Veja também:
      Projeto MiniCurtas, da RBS, está com inscrições abertas
      Período de matrículas para 2013/1 começa na segunda-feira (7)
      Portal Eu Sou Famecos de cara nova
      Espaço Experiência participa de 3º Colóquio de Agências Experimentais
      Famecos anuncia mudanças nos cargos de gestão
 Ver todas as notícias
 
 voltar ao topo
 
« Voltar para a página anterior
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106
Partenon - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br