PINGUE-PONGUE    19/06/2012
Professor Eduardo Pellanda fala sobre a internet 4G
por Adriano Pinzon
Segundo Eduardo Pellanda, a alta velocidade da 4G dependerá muito da forma como as operadoras irão conceder a banda (Foto: Fernanda Becker)

Na semana passada, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) encerrou o leilão da faixa de frequência 2,5 GHz, que será usada para o serviço de banda larga e telefonia móvel de quarta geração, a internet 4G. As operadoras Claro, Oi, Tim e Vivo oferecerão o serviço a partir de abril de 2013, quando pelo menos todas as sedes da Copa das Confederações, evento que antecede a Copa do Mundo, deverão receber o sinal. Até lá, as empresas também deverão conceder a transmissão para zonas rurais, lote que ainda não foi adquirido. O Espaço Experiência conversou com o professor da Famecos Eduardo Pellanda sobre a nova tecnologia no Brasil.

Espaço Experiência: O que é a internet 4G?
Eduardo Pellanda: A internet 4G é a evolução da 3G. Tivemos a primeira fase (analógica), a segunda (digital), já com internet, e a terceira, que é a que temos atualmente (velocidade entre 300 kbps, teoricamente 2 mega). Hoje, as operadoras estão disponibilizando uma evolução da 3G, que é chamada de 3,5 G, que se consegue chegar até 3 mega, o que já melhora bastante. Com a 4G pode-se chegar até 20 mega, que é uma velocidade muito alta em comparação, por exemplo, com a internet fixa que temos em casa. Na verdade, irá depender muito da forma como as operadoras irão conceder a banda.

EE: Além do aumento da velocidade, quais são os outros benefícios?
EP: A qualidade de sinal será melhor. É possível que melhore muito a voz  (ligações). E a velocidade leva a outras coisas, como serviços de vídeo em alta resolução e mais rapidez na troca de dados. Para pessoas que não param em casa durante o dia ou que viajam no final de semana, vale mais a pena ter essa internet móvel de grande velocidade do que ter uma internet fixa em casa.

EE: Quais países já usam o sinal, além dos Estados Unidos?
EP: Países da Europa, a Coréia do Sul, o Japão e a Austrália estão começando, mas ainda não estão com frequência padrão. Tanto que a Apple lançou o novo iPad com 4G e só funcionava nos Estados Unidos. A Apple chegou a ser processada por usuários da Austrália por propaganda enganosa. Agora, a Apple já vende seus produtos com duas frequências diferentes. Uma dessas frequências funcionará no Brasil.

EE: A tecnologia 4G aumentará a velocidade, mas as operadoras não ampliarão a cobertura. O que temos hoje é o bastante?
EP: Não, não é o bastante. O 3G ainda está muito deficiente em vários lugares, como no interior. O governo está pedindo às operadoras que elas invistam nas zonas rurais.

EE: As operadoras não manifestaram interesse em adquirir a concessão para transmissão em zonas rurais. Por quê?
EP: Porque o retorno é muito pequeno. São poucas casas e pontos isolados em uma grande área para cobrir. Então, não há retorno.

 
 
 Veja também:
      Projeto MiniCurtas, da RBS, está com inscrições abertas
      Período de matrículas para 2013/1 começa na segunda-feira (7)
      Portal Eu Sou Famecos de cara nova
      Espaço Experiência participa de 3º Colóquio de Agências Experimentais
      Famecos anuncia mudanças nos cargos de gestão
 Ver todas as notícias
 
 voltar ao topo
 
« Voltar para a página anterior
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106
Partenon - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br